REAÇÃO IMUNOLÓGICA DECORRENTE A TRANSFUSÃO DE CONCENTRADO DE PLAQUETAS EM CÃO

C. A. A. MAIA, J. P. G. BAPTISTA, I. C. C. S. SILVA

Abstract


A transfusão de hemocomponente na medicina veterinária vem aumentando nos últimos anos, com isso aumenta-se também o potencial de reações transfusionais, que eventualmente podem ser fatais. Neste estudo, um cão de 3 meses de idade, fêmea, Sem Raça Definida com diagnóstico de hemoparasitose, realizado a partir de hemograma (anemia regenerativa com visualização de mórula de Ehrlichia canis em leucócitos e trombocitopenia de 80 mil plaquetas/dL) e ultrassonografia (hepatoesplenomegalia), foi encaminhado ao banco de sangue para ser submetido a transfusão de concentrado de plaquetas (CP), visto que apresentava petéquias, sufusões abdominais e havia sofrido alguns episódios de epistaxe. Após exame físico da paciente que se apresentava com parâmetros normais para a espécie, iniciou-se a transfusão do CP pela veia cefálica. Aos 30 minutos do início do procedimento documentou-se sialorréia intensa e eritema cutânea. A transfusão foi interrompida. Aplicou-se 0,5 mg/Kg de dexametasona por via intravenosa, 0,044 mg/Kg de atropina e 0,2 mg/Kg de prometazina ambos por via subcutânea, e em 40 minutos ocorreu normalização dos parâmetros clínicos. A transfusão de concentrado de plaquetas é um procedimento terapêutico e profilático importante no tratamento e prevenção de hemorragias, quando por deficiência numérica ou qualitativa das plaquetas. No entanto, riscos inerentes ao processo devem ser considerados, e expostos ao tutor. Contudo, descrevemos neste relato reação adversa em cão jovem (hipersensibilidade tipo 1) revertida com o uso imediato de corticosteróide associado a um antagonista colinérgico e anti-histaminico.




DOI: http://dx.doi.org/10.15361/2175-0106.2021v37n1p31-34