DIMINUIÇÃO DO ÍNDICE DE NECROSE EM ENXERTOS CUTÂNEOS EM COELHOS MEDIANTE A APLICAÇÃO DE CÉLULAS TRONCO MESENQUIMAIS XENÓGENAS

S. P. MARIA, A. B. DE NARDI, J. L. ALVAREZ, J. M. PAZZINI, L. GIRALDELLI, B. MORAIS, M. A. BARROS, P. C. MORAES

Abstract


O presente estudo teve como objetivo avaliar a inflamação em auto-enxertos cutâneos obtidos no terceiro, sétimo e décimo quarto dia de pós-operatório, além disso, buscou-se determinar diferenças no processo de cicatrização no grupo tratado com células tronco mesenquimais xenógenas em relação ao grupo controle utilizando a avaliação microscópica e imuno-histoquímico. A avaliação microscópica foi realizada utilizando cortes histológicos corados pela técnica de histoquímica com hematoxilina-eosina (HE), e a imuno-histoquímica, com cortes submetidos a anticorpos específicos. As variáveis analisadas foram quantidade de vasos, células inflamatórias, COX-2, Macrófagos e presença de necrose. Os dados foram analisados estatisticamente pelo software R. A quantidade de vasos foi maior (p<0,0001) no grupo tratamento (GT) durante o dia 3, enquanto no grupo controle (GC) foi maior no dia 7. No dia 3 houve menor porcentagem de necrose no grupo tratamento (GT) (p = 0,038). Nos demais dias avaliados não houve diferença entre a porcentagem de necrose observada nos dois tratamentos (p = 0,98), sendo de 53% para o grupo controle (GC) e 47% para o grupo tratamento (GT). Em relação ao número de macrófagos não houve diferença entre os grupos (p = 0,5637). Entretanto, entre os dias houve diferença significativa (p = 0,0223), sendo menor número de macrófagos no terceiro dia. A imunomarcação de COX-2 foi similar entre os grupos (p = 0,5637) e entre os dias (p = 0,9843). Portanto, o emprego das células tronco mesenquimais xenógenas em enxertos cutâneos promoveu menor ocorrência de necrose, favorecendo sua cicatrização, e não induziu o processo inflamatório, sendo assim factível seu uso em cirurgias reconstrutivas.




DOI: http://dx.doi.org/10.15361/2175-0106.2021v37n3p177-186