PARALISIA DE LARINGE EM CÃO: RELATO DE CASO

A. M. C. JUNQUEIRA, F. C. BRITTO, B. K. S. ROSA, R. F. CUNHA, M. JESUS, R. Q. STEFANI, F. P. S. MELLO, M. P. FERREIRA

Resumo


A paralisia de laringe consiste na perda da capacidade de abdução das cartilagens aritenóides durante a inspiração. Pode ser congênita ou adquirida, secundária a trauma, neoplasia, polineuropatia ou endocrinopatia. O diagnóstico tem como base os sinais clínicos e exame de imagem da laringe. Uma cadela, de 9 anos de idade, da raça Labrador Retriever foi atendida no hospital veterinário com quadro de dispnéia inspiratória, intolerância ao exercício, sobrepeso, inquietação e taquicardia. Após oxigenoterapia, foram solicitados hemograma, perfil bioquímico, hemogasometria e exame radiográfico do tórax, porém, o diagnóstico definitivo de paralisia de laringe foi obtido por meio da ultrassonografia da região cervical ventral e laringoscopia. Nestes exames foram observados movimentos assimétricos das cartilagens aritenóides durante a inspiração. Desta forma, foi instituído o tratamento emergencial de traqueostomia. Após quatro dias foi realizada a técnica de lateralização aritenóide unilateral. Ao longo de 14 dias de internação, o padrão respiratório da paciente foi restaurado, resultando na alta do animal.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15361/2175-0106.2018v34n2p93-97