ESTUDO RETROSPECTIVO DA RAIVA EM HERBÍVOROS E ANIMAIS SILVESTRES NO ESTADO DO MARANHÃO

E. M. C. Silva, C. S. PINTO, T. D. S. ROSA, M. S. C. BRAGA, N. S. MARTINS, R. A. OLIVEIRA, H. P. SANTOS, A. V. CARVALHO NETA, D. L. S. RIBEIRO, L. S. SANTOS

Resumo


O presente trabalho teve como objetivo apresentar uma atualização epidemiológica sobre a raiva em herbívoros e animais silvestres no Estado do Maranhão durante o período de 2010 a 2018. Foi realizada uma análise com base na estatística descritiva, por meio da distribuição de frequências relativas e absolutas. Do total de 409 amostras testadas, independente da espécie, 16,63% (68/409) foram positivas para raiva. Destas, 13,44% (55/409) foram bovinos, 2,44% (10/409) equídeos e 0,73% (3/409) animais silvestres. O percentual total de positividade, quando considerada a espécie ou grupo de espécies (animais silvestres) foi de 35,55% para bovinos, 25,18% para equídeos e 4,86% para animais silvestres. Observa-se ainda que o ano com maior positividade foi o de 2018 com cerca de 46,42% de animais positivos, seguido pelos anos de 2013 e 2012, com, respectivamente, 41,66% e 33,33% animais positivos. Em relação à distribuição geográfica da raiva, houve confirmação de casos em 31 dos 217 municípios do Maranhão, os quais encontram-se distribuídos entre as mesorregiões Norte, Centro, Leste e Oeste maranhense. Desse modo, a raiva está presente no Estado do Maranhão, principalmente entre a população bovina, que tem apresentado incidências elevadas até o presente momento.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15361/2175-0106.2019v35n2p56-62