OBSTRUÇÃO DA VEIA SAFENA EM EQUINO POR LINFOMA MULTICÊNTRICO - RELATO DE CASO

R. F. SIQUEIRA, N. M. S. CORDEIRO, S. V. SANTOS, C. F. BATISTA, E. F. BONDAN

Resumo


Os tumores hemolinfáticos são incomuns em cavalos, porém, o linfoma é o mais frequente deles. Os sinais clínicos variam dependendo da localização do tumor, sendo os mais comuns: depressão, perda progressiva de peso e linfadenopatia e anemia. O objetivo do presente estudo é relatar o caso de uma obstrução da veia safena por linfoma multicêntrico em uma égua de 13 anos, sem raça definida, apresentando ferida com tecido de granulação exuberante na região da articulação metatársica falangeana do membro posterior esquerdo, anemia e perda de peso. Devido ao estado debilitado e ao decúbito persistente, a égua foi eutanasiada. O exame pós-morte revelou um trombo mediu 15 cm de comprimento por 11 cm de diâmetro com aparência nodular e esbranquiçada. Em humanos, existe uma correlação entre doença linfoproliferativa e doença autoimune, pois o estímulo antigênico e a resposta inflamatória gerada pela doença autoimune pode ser capaz de transformar uma população de linfócitos policlonais em uma população monoclonal, compatível com uma linfoproliferação. No caso da égua, não houve doença autoimune, mas a inflamação crônica causada pela lesão da pitiose pode ter sido a causa do desenvolvimento do linfoma, já que este era único e no mesmo membro do tecido de granulação exuberante.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15361/2175-0106.2019v35n3p100-105