ASPECTOS QUÍMICOS DO GÊNERO LOTUS L. COM ÊNFASE EM METABÓLITOS SECUNDÁRIOS

G. V. MORO, S. M. SCHEFFER-BASSO, A. L. ABDALLA, F. H. REGINATTO, M. R. S. R. PEÇANHA, G. M. COSTA

Resumo


RESUMOObjetivou-se caracterizar Lotus corniculatus (cvs. São Gabriel e ARS 2620), L. uliginosus (cv. Maku) e L. subbiflorus (cv. El Rincón) quanto ao perfil fitoquímico, mediante a determinação dos teores de proteína bruta (PB), fibra em detergente ácido (FDA) e neutro (FDN), fenóis totais (FT), taninos totais (TT), taninos condensados (TC) e bioensaio. Na cv. São Gabriel foi, também, verificada a presença de flavonóides. As espécies foram cultivadas em vasos com substrato fértil e colhidas aos 258 dias de idade. Foram identificados flavonóides do tipo rutina e vitexina na cv. São Gabriel. Os teores de PB e FDN não variaram entre as espécies, e foram de 13,2 a 17,6% para PB e de 53,5 e 65,1% para FDN. Os teores de FDA variaram entre as espécies, com 34,7% (S. Gabriel), 31,4% (ARS 2620), 43,2% (Maku) e 41,7% (El Rincón). Os teores de TC e FT foram respectivamente: cv. São Gabriel: 1,99 e 2,88 g/kg; ARS 2620: 0,05 e 1,70 kg/kg; Maku: 0,34 e 2,50 g/kg; El Rincón: 1,67 e 1,27 g/kg. Na presença de polietilenoglicol (PEG) ocorreu maior produção de gás. O baixo teor de taninos indica a necessidade de investigação para verificar a interação genótipo x ambiente. PALAVRAS-CHAVE: Fenóis. Flavonóides. Lotus corniculatus. L. subbiflorus. L. uliginosus. Taninos.

Texto completo:

Artigo na Íntegra - PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15361/2175-0106.2010v26n2p113-119