ORIGEM E DISTRIBUIÇÕES CONFIGURADAS PELA ARTÉRIA CELÍACA EM MUTUNS DOS GÊNEROS Crax e Mitu.

E. S. GONÇALVES, M. I. SANTANA, E. M. M. LIMA, F. O. C. SILVA, R. S. SEVERINO, S. S. DRUMMOND

Resumo


Este trabalho objetivou descrever a origem e a distribuição dos ramos da artéria celíaca em 19 aves dos gêneros Crax e Mitu, oriundas do Criatório Científico e Cultural de Poços de Caldas, doadas após óbito natural. Para o preenchimento do sistema vascular foi utilizada solução aquosa de látex corado, seguido de imediata fixação em solução aquosa de formol a 10%. Posteriormente, dissecaram-se os colaterais responsáveis pela irrigação do canal alimentar, fígado, baço e pâncreas. A artéria proventricular dorsal foi o primeiro ramo emitido antes da bifurcação da artéria celíaca em ramos esquerdo e direito. O ramo esquerdo enviou as artérias gástrica dorsal, proventricular ventral (e seus ramos ventriculares), gástrica ventral, gástrica esquerda e pilóricas para a junção ventrículo-duodenal, além de ramos ao esôfago e pericárdio. A artéria hepática esquerda foi ramo ora da artéria gástrica ventral e ora da gástrica esquerda. O ramo direito emitiu grande número de artérias esplênicas, a artéria duodenojejunal, qual formou anastomoses em arcada com os ramos oriundos da artéria mesentérica cranial, artéria duodenal para o segmento inicial do duodeno e artéria hepática direita. Os ramos vesiculares foram oriundos ora da artéria hepática direita e ora da artéria pancreáticoduodenal e, em um caso, uma artéria esplênica irrigou a região dorsal do ventrículo. Em seu segmento terminal, o ramo direito dividiu-se em artérias gástrica direita e pancreaticoduodenal. Esta última, ainda enviou a artéria ileocecal para o segmento final de íleo e ceco esquerdo. Quando comparados estes achados com os gêneros Gallus e Anas, notaram-se semelhanças em quase toda a distribuição da artéria celíaca, a não ser pela modificação da artéria esofágica como primeiro ramo enviado, bem como a distribuição exclusiva da artéria ileocecal para o ceco esquerdo e, a emissão de um ramo esplênico pela artéria gástrica dorsal.

Texto completo:

Artigo na Íntegra - PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15361/2175-0106.2010v26n2p088-094