AVALIAÇÃO DA AVEIA PRETA E DE GENÓTIPOS DE AVEIA AMARELA PARA PRODUÇÃO DE FORRAGEM.

A. L. MOREIRA, A. C. RUGGIERI, R. A. REIS, P. F. SEIXAS, M. S. PEDREIRA, R. GODOY

Resumo


O experimento foi conduzido com o objetivo de avaliar a produção e valor nutritivo dos seguintes genótipos de aveia: São Carlos, UFRGS7, UPF87111, UPF86081 e Preta. O delineamento utilizado foi de blocos ao acaso com cinco tratamentos e três repetições, em esquema de parcela subdividida, sendo considerado nas parcelas principais os genótipos e nas subparcelas os cortes. A semeadura foi realizada em 21/06/00, manualmente, utilizando 70 kg/ha de sementes e adubação de 400 kg/ha da fórmula 4-20-20. Na adubação de cobertura foram utilizados 40 kg de N/ha, distribuídos a lanço, 22 dias após a semeadura e após cada corte. Os genótipos de aveia foram irrigados em sistema de aspersão. O primeiro corte foi realizado 64 dias após a semeadura, e o segundo, 56 dias após o primeiro, cortando-se as plantas manualmente a uma altura de 0,10 m.Observou-se maior produção de matéria seca, teores mais elevados de proteína bruta e menores valores de constituintes da parede celular em todos os cultivares colhidos no primeiro corte, comparado ao segundo. Os teores de matéria seca, proteína bruta e digestibilidade ?in vitro foram maiores nos genótipos UPF87111 e UPF86081 quando comparados às aveia Preta e São Carlos, 60 dias após a semeadura. Em termos de produção de matéria seca e composição quimica, todas as aveias testadas são aptas para utilização em sistema de exploração intensiva.
PALAVRAS-CHAVE: Digestibilidade ?in vitro da matéria seca. Forrageiras de inverno. Parede celular. Proteína bruta.

Texto completo:

Artigo na Íntegra - PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15361/2175-0106.2005v21n4p175-182