AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS NA COMERCIALIZAÇÃO DE CARNE E PESCADO NO MERCADO MUNICIPAL DA CIDADE DE PIO XII, ESTADO DO MARANHÃO, BRASIL

L. M. LACERDA, A. M. A. B. SILVA, C. A. SILVA, A. C. RIBEIRO, C. J. R. M. ROSÁRIO

Abstract


Avaliaram-se as condições higiênico-sanitárias na comercialização de carne e pescado no mercado municipal de Pio XII – MA, através da aplicação de uma lista de verificação adaptada de acordo com a RDC nº 216/2004 da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), dotada de um total de 33 itens distribuídos em 8 categorias distintas, em 17 boxes de comercialização, no período de agosto a setembro de 2021. Realizou-se a aplicação de um questionário para verificar o perfil socioeconômico dos vendedores do mercado de Pio XII – MA, com aprovação no Comitê de Ética em Pesquisa (CONEP), da Universidade Estadual do Maranhão - UEMA com o número de CAAE 25016719.8.0000.5554. Foram verificados que 13% dos boxes do mercado estavam em péssimas condições higiênico-sanitárias e o restante foi classificado como ruim (20 a 49%), sendo que o percentual de conformidades de nenhum deles ultrapassou 27,0%, não sendo nenhum estabelecimento classificado como regular (50 a 69%), bom (70 a 90%) ou excelente (91 a 100%). Em relação aos resultados do perfil socioeconômico dos comerciantes, 100% eram do sexo masculino, com 17,6% apresentavam-se na faixa etária de 30 a 39 anos, 41,2% tinham idade de 40-49 anos e 41,2%, com mais de 50 anos. Quanto à escolaridade, predominaram os níveis não alfabetizados e ensino fundamental com percentual de 40,2% para cada um. A renda familiar da maioria (58,8%) se concentrou no intervalo de 1 a 3 salários mínimos. Pode-se concluir que a atividade de comercialização de carne e pescado no Mercado Municipal de Pio XII – MA vem sendo realizada de forma inadequada, e a falta de conhecimento dos comerciantes sobre as Boas Práticas de Fabricação e a realização de treinamento adequado são fatores contribuem de forma significativa para o agravo dessa situação, assim como a origem da carne comercializada, que é de abate clandestino.




DOI: http://dx.doi.org/10.15361/2175-0106.2022v38n2p66-71